quinta-feira, 31 de março de 2011

A GRAÇA DE DEUS NÃO FOI DADA EM VÃO



Eu não sou digno de ser incluído neste círculo íntimo de pessoas, como vocês bem sabem, tendo desperdiçado todos aqueles anos para apagar do mapa a existência da igreja de Deus. Mas como Deus foi tão gracioso, muito generoso, aqui estou eu. E eu não vou deixar que a graça de Deus me seja dada em vão. 1 Coríntios 15:9, 10, The Message

Há um pequeno vocábulo implícito neste texto: “se”. Quase todas as vezes que o pronunciamos, o fazemos em tom de mágoa e tristeza. Repetimos o “se” quando perdemos uma oportunidade ou depois de fazermos uma escolha da qual nos arrependemos. Se tivesse chegado mais cedo; se vivesse em outra cidade; se tivesse ido; se tivesse ficado; se tivesse começado; se tivesse terminado... E assim por diante, numa ladainha sem fim.

O “se” nunca vai abrir uma porta que a negligência ou o pecado fechou. Não vai trazer de volta o dia, o lugar, nem as pessoas.

Quando Paulo escreveu essas palavras, por volta do ano 55 d.C., isto é, mais ou menos vinte anos depois de sua conversão, ele ainda lamentava o que havia feito antes de conhecer a Cristo, e pela maneira desafiante como tinha estado em oposição a Deus. Disse aos seus irmãos de Corinto: “Vejam só como foi minha vida antes de conhecer a Cristo.”

Alguns também levam o peso de erros cometidos antes e até mesmo depois de terem se encontrado com Jesus, e dizem: “Olha só que coisa horrível eu fiz. Não acredito que tenha feito isso!”

Você já parou diante do espelho depois de estar arrependido pelo que disse ou pelo que fez, e se insultou dizendo: “Seu estúpido! Seu insensível! Quando é que você vai aprender? Ó, meu Deus, por que é que eu sou assim?”

Podemos começar este dia fazendo uma de duas escolhas: (1) viver a realidade dos fracassos e erros de ontem, ou (2) viver na presença da graça de Deus. Para isso, precisamos remover a barreira entre o “eu ideal” e o “eu real”, decidir que Deus está do nosso lado e perdoar a nós mesmos.

Nossa maneira de viver hoje poderá ser motivo de satisfação e celebração amanhã – ou motivo de mágoa e lamento.

Paulo aceitou o perdão de Deus e decidiu se perdoar pelo que tinha feito. Você também não precisa carregar seu fardo nem por um minuto mais.

Receba o abraço de Deus e diga como Paulo: “Pela graça de Deus sou o que sou.” Estou reconciliado com Ele. Sou herdeiro do reino.

quarta-feira, 30 de março de 2011

APRESENTADOS SEM MANCHA



Ora, Àquele que é capaz de guardá-los da queda e de apresentá-los perante Sua glória, sem defeitos e com alegria indescritível. 
Na antiguidade, os imperadores, no fim de uma conquista ou de uma guerra, para mostrar seu poderio aos súditos e rivais, muitas vezes entravam na cidade acompanhados de uma leva de guerreiros feridos e extenuados para mostrar quão brilhante tinha sido a vitória. Ali estavam também escravos, maltrapilhos e uma multidão cambaleante, vencida pelo cansaço.


Que diferença de quando o Rei do Universo vier resgatar os Seus e apresentá-los como troféus de Sua conquista! Será uma ocasião muito mais festiva do que a apresentação de um campeão olímpico. Vai ser muito mais pomposa do que a entrega do Oscar. Não haverá chegada de limusines trazendo celebridades para desfilar sobre tapetes vermelhos. Também não haverá trajes de caimento perfeito, criados pelas grifes internacionais. Não serão necessários estilistas, nem cabeleireiros para deixar as pessoas com o visual impecável. Não haverá melhor ator nem melhor atriz, nem mesmo um prêmio para os melhores efeitos especiais. Mas haverá muitas surpresas!


Qualquer esplendor, de qualquer desfile, qualquer “pompa e circunstância” serão ofuscados e ficarão longe daquele grande desfile de glória e de vitória. Outras versões expressam, em outras palavras, essa mesma cena: “Apresentar-vos de pé em Sua brilhante presença [...] celebrando” ; “E colocá-lo na presença de Sua glória, triunfante e acima de qualquer acusação” ; “[...] e apresentá-los sem mancha nem falta diante da Sua glória, em triunfante alegria e inexprimível exultação” . Todas elas, em suas palavras, deixam transparecer que esse será um dos grandes momentos na história da redenção. Deus vai apresentar ao Universo os troféus de Sua vitória. Veremos lado a lado pessoas de todos os cantos da Terra, de todas as etnias e grupos sociais, sendo apresentadas a todos pelo Rei do Universo. Por conta e graça do Rei, você e eu poderemos estar entre aqueles que serão apresentados.


“Então um dos anciãos me perguntou: ‘Quem são estes que estão vestidos de branco, e de onde vieram?’ Respondi: Senhor, Tu o sabes. E ele disse ‘Estes são os que vieram da grande tribulação e lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro’” (Ap 7:13, 14).
Hoje é este dia, onde Jesus nos diz "Estou lhe dando vestes novas"...entende o que é isso?...então aproveite e siga seu coração, decida-se por Jesus e que a gloria de Deus seja derramada em sua vida e familia.
Seja uma benção!!

terça-feira, 29 de março de 2011

LIVRE DO DOMÍNIO DO MAL


Quando se aproximaram de Jesus, viram ali o homem que fora possesso da legião de demônios, assentado, vestido e em perfeito juízo, e ficaram com medo. Marcos 5:15
Logo que o barco chegou à praia, os discípulos ouviram gritos que vinham de uma elevação próxima. Então, viram um homem de cabelos longos, roupa em farrapos e olhar selvagem. Era incontrolável. Tinha sido excluído de qualquer contato humano, por isso vivia entre os sepulcros. Nem mesmo as correntes podiam prendê-lo. Era uma demonstração vívida de como a possessão demoníaca distorce e destrói a imagem de Deus no ser humano.


Antes disso, imaginando o que poderia estar acontecendo com ele, seus amigos tentaram levar curandeiros, adivinhos, pais-de-santo, jogar búzios, tarô, receitaram simpatias, encantamentos... mas nada tinha dado certo. Ele era um homem temido, evitado e abandonado.


Ao descrever com detalhes o que aconteceu, Marcos menciona três pedidos apresentados na realização do milagre:


O primeiro pedido é o dos demônios. Nas proximidades havia uma manada de porcos. Os demônios disseram: “Manda-nos para os porcos.” Quer dizer, preferimos continuar vivendo na sujeira, deitando e rolando na lama. E numa disparada, lá se foram os porcos num “salto olímpico” precipício abaixo. Os “frigoríficos” daquela época ficaram sem matéria-prima durante bom tempo.


O segundo pedido foi o dos habitantes de Gerasa. Os mais exaltados da cidade começaram a incitar a multidão, dizendo: “Se Jesus ficar por aqui, nosso pólo de produtos suínos vai perder a hegemonia. Queremos tranquilidade. Por favor, saia do nosso território.”


Finalmente, veio o pedido do homem curado, solicitando a Jesus que lhe permitisse ficar com Ele. “Quero um novo ambiente. Todos aqui já me conhecem. Não vão me aceitar.” Porém, Jesus lhe deu uma missão: “Volte para casa e para os seus amigos. Conte como Deus foi misericordioso com você.”


“Nem um dos sermões de Seus [de Jesus] lábios lhes caíra jamais ao ouvido. [...] Podiam dizer o que sabiam; o que eles próprios tinham visto e ouvido, e experimentado do poder de Cristo. É o que a todo aquele cujo coração foi tocado pela graça de Deus, é dado fazer” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 340).


O homem voltou transformado para a cidade e para casa. Era uma nova pessoa. Vestido, limpo, sem cadeias nas mãos ou nos pés, em são juízo. Livre!


“Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram, eis que surgiram coisas novas!” (2Co 5:17).


Decida-se por Jesus hoje, Ele vai guerrear a sua guerra e lhe dar a tão sonhada vitória. Jesus te ama e quer sempre o nosso melhor, fale com Ele neste momento e se entregue a Ele totalmente, sem reservas, pois Ele ja levou todas as nossas dores, tristezas, angustias, medos, enfermidades, e nos dá a Vida Eterna através de seu sacrificio na cruz. O que está esperando...


Seja uma Benção !!!

segunda-feira, 28 de março de 2011

OLHANDO COM OS OLHOS DE JESUS


Portanto Eu lhes digo, os muitos pecados dela foram perdoados, pois ela amou muito. Mas aquele a quem pouco foi perdoado, pouco ama. Lucas 7:47
A ocasião era familiar para nós: casa cheia, festa. Mais vozes masculinas do que femininas. Além de Jesus, que era o convidado especial, também estavam ali Lázaro, a quem Jesus havia ressuscitado, algumas celebridades e os discípulos de Jesus.

No meio da festa, a presença inesperada de uma mulher a quem Lucas chama de pecadora – uma forma politicamente correta de dizer que ela era prostituta.

O que você faz quando, no meio de uma festa, ou no meio de uma reunião, alguém comete uma gafe? Como você teria agido se estivesse ali? A pessoa está vestida como não deve, fala alto demais, avança para pegar comida. Como você teria agido? Inventaria uma tosse para sair; pegaria o celular fingindo uma chamada; esperaria a reação dos demais ou simplesmente ignoraria?

Quando o pessoal começou aquele ti-ti-ti orquestrado por Simão e Judas, Jesus introduziu uma pequena parábola que termina com o texto de hoje, mostrando a graça como perdão e misericórdia.

Todas as vezes que lia essa narrativa, eu tinha a curiosidade de saber quem era a mulher. Até que me deparei com o seguinte texto: “Maria foi considerada pecadora, mas Cristo sabia as circunstâncias que lhe tinham moldado a vida. [...] Fora Ele que a erguera do desespero e da ruína. Sete vezes ouvira ela a repreensão aos demônios que lhe dominavam o coração e a mente, [...] Foi Maria que se assentou aos pés de Jesus e dEle aprendeu. Foi ela que Lhe derramou na cabeça o precioso unguente, e banhou os pés com as próprias lágrimas. Achou-se aos pés da cruz e O seguiu até o sepulcro. Foi a primeira junto ao sepulcro, depois da ressurreição. A primeira a proclamar o Salvador ressuscitado.” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 567, 568).

Olhando para essa descrição de Maria, você pode pensar: quantos altos e baixos; mas que transformação!

Somente você e Deus conhecem sua vida e a necessidade de perdão. Podemos ir hoje ao encontro dEle. Ele está pronto para apagar nossos pecados e guiar-nos nos caminhos de Sua justiça.

O acesso está livre, aberto. Há amplo perdão. As palavras de Jesus foram carregadas de graça: “Seus pecados estão perdoados.”

quarta-feira, 23 de março de 2011

A Linda e Importante família de Jesus.



Analisando a Bíblia vemos que Maria era Virgem sim, mas até o nascimento de Jesus, e que ela teve um casamento normal e com vida sexual ativa com Jose.
O texto de Mateus 1.25 afirma o seguinte: “e não a conheceu enquanto (até que) ela não deu à luz um filho; e pôs-lhe o nome de Jesus”.
Para nós os protestantes, a referência bíblica em apreço parece ser, a princípio, uma fonte irrefutável, e não é para menos, pois diz categoricamente que José não a conheceu “até” ou “enquanto” no grego (heos, hou) ela não deu à luz. Ora, o que entendemos  é que, após o parto, Maria teve relações sexuais com seu marido como qualquer casal judeu, como pessoas normais naquele tempo.
É notório que os casamentos orientais da época de Jesus eram, sem sombra de dúvida, bem diferentes dos do nosso tempo. Mateus declara que Maria estava desposada (entenda-se noiva) com José. Diz ainda que ele não a “conheceu até” (Mt 1.18). Algumas vezes a palavra “conhecer” é usada na Bíblia de modo figurado, significando relação sexual (Gn 4.25), e, neste caso, o contexto apóia este sentido. Outro fator que comprova com a interpretação acima é o fato de Lucas ter usado a expressão grega pro­tótokos, que significa “Primogênito”, em relação ao nascimento de Cristo: “e teve a seu filho primo­gênito...” (Lc 2.7).

Se Lucas quisesse dizer que Jesus foi o único filho de Maria, teria usado, de modo inequívoco, a expressão monogenes (unigênito, em português) que significa “[filho] único gerado”, como acontece em João 3.16. Mas não, ele usou de modo consciente, o termo certo: “primogênito”, indicando que Jesus foi apenas o “primeiro” filho de Maria, e não o “único”.
Uma leitura superficial do Novo Testamento, em especial dos evangelhos, mostrará, sem sombra de dúvida, que Jesus Cristo teve irmãos e irmãs (Mt 12.46,47, 13.55-56; Mc 6.3). E ainda nos dão os nomes dos irmãos: Tiago, José, Simão e Judas. E essas pessoas aparecem sempre relacionadas com Maria, mãe de Jesus, o que nos dá a impressão de que os escritores e os evangelistas quiseram nos transmitir o quadro de uma família composta por mãe e filhos.
Vejamos: “Enquanto ele ainda falava às multidões, estavam do lado de fora sua mãe e seus irmãos, procurando falar-lhe. Disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, e procuram falar contigo” (Mt 12.46-47).

Depois do milagre em Caná, Maria e os irmãos do Senhor aparecem juntos: “Depois disso desceu a Cafarnaum, ele, sua mãe, seus irmãos, e seus discípulos; e ficaram ali não muitos dias” (João 2.12).

Em outra ocasião, Maria e seus irmãos mandam chamá-lo: “Chegaram então sua mãe e seus irmãos e, ficando da parte de fora, mandaram chamá-lo” (Mc 3.31). João acrescenta que nem os seus criam em Jesus: “Pois nem seus irmãos criam nele(Jo 7.5). E, por último, os irmãos de Jesus aparecem no cenáculo orando com Maria: “Todos estes perseveravam unanimemente em oração, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele” (At 1.14).

Não existe um só caso na Bíblia, e principalmente no Novo Testamento, em que a palavra grega adelphós (irmão) é traduzida por primo ou parente. Das 343 vezes em que o N.T usa o termo adelphós, ele apresenta dois sentidos para a palavra “irmão”: a de irmão legítimo (carnal).
Além disso, os escritores sabiam a diferença entre os termos irmão (adelphós), primo (anepsiós) e parentes (sungenes).

Mesmo Paulo, que usava bastante metáfora, sabia usar com distinção essas palavras. Tanto é que escreveu sobre os “irmãos” de Jesus sem deixar nenhuma dúvida ao laço carnal entre o Senhor e seus irmãos. Vejamos: “Não temos nós direito de levar conosco esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (1Co 9.5). “Mas não vi a nenhum outro dos apóstolos, senão a Tiago, irmão do Senhor” (Gl 1.19).

Caso a tese católica estivesse correta, o apóstolo poderia muito bem ter usado a expressão hoi anepsiós Kyriou (primos do Senhor), e não adelphói tou Kyriou (irmãos do Senhor), até porque os irmãos de Jesus estavam vivos quando o apóstolo escreveu as duas epístolas.
Diante do exposto, a única consideração plausível a que podemos chegar é que os “irmãos” de Jesus eram realmente seus irmãos legítimos.
De acordo com a Bíblia, Jesus teve quatro irmãos (Tiago, José, Simão e Judas) e também algumas irmãs (Mateus 12:46-50; 13:55-56; João 2:12; 7:3-10; Atos 1:14; 1 Coríntios 9:5; Gálatas 1:19). Por causa do mito de que Maria foi uma virgem perpétua, foi inventada a teoria que estes "irmãos" de Jesus são, de fato, apenas primos.
Esta palavra "irmão" é usada 346 vezes no Novo Testamento e nunca significa "primo".
Muitos pensam que Maria tinha e ainda tem uma influência especial sobre Jesus e que ela pode ser uma mediadora entre nós e Jesus. Mas veja quantas vezes, na Bíblia, Jesus mostrou que Maria não tinha uma capacidade especial para persuadi-lo.

1. Quando foi dito a Jesus que sua mãe e irmãos o estavam procurando, ele respondeu que considerava como sua mãe e irmãos verdadeiros aqueles que o obedecem (Mateus 12:46-50; Marcos 3:31-35; Lucas 8:19-21).
2. Quando a mãe de Jesus sugeriu que a falta de vinho na festa de casamento seria uma boa hora para declarar-se o Messias, ele recusou sua sugestão dizendo: "Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora" (João 2:4).
3. Quando uma mulher na multidão disse a Jesus: "Bem-aventurada aquela que te concebeu e os seios que te amamentaram", Jesus respondeu: "Antes bem-aventurados são os que ouvem a palavra de Deus e a guardam". Paulo concluiu em 1 Timóteo 2:5 que há "um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus".

Maria parece ter sido uma mulher boa, uma discípula fiel (Atos 1:4). Mas não tem nenhum poder especial para persuadir Jesus e não foi uma virgem perpétua (Note também Mateus 1:25; Lucas 2:7). Jesus foi criado em uma família com mãe, irmãos e irmãs (Marcos 6:3).

Chegamos à conclusão que Maria, foi fundamental para a vida de Jesus e seus irmãos, pois ela sempre esteve ali com seus filhos em todos os momentos, vemos que ela é merecedora de todo nosso respeito e admiração por se tratar da mãe do nosso único e suficiente Salvador, percebemos que tudo não passa de uma equivocada interpretação bíblica pois o grego e o hebraico são escritas que se parecem muito mas tem um sentido totalmente diferente.
O importante é vivermos em paz e respeitando todas as crenças, mas o mais importante de tudo é sabermos que Jesus é o único e verdadeiro caminho para se achegar a Deus, e vivermos imitando sua vida em nosso dia a dia, pois perto está o momento de nos encontrar com Ele na Gloria.

Seja uma Benção, Jesus te ama !!!

terça-feira, 22 de março de 2011

ABRE OS OLHOS DO MEU CORAÇÃO



Mais uma vez Jesus colocou as mãos sobre os olhos do homem. [...] Ele passou a ver as pessoas como Jesus as via. Marcos 8:25, The Companion Bible

Se você tivesse que escolher um grupo de alunos com os quais realizar uma grande tarefa, e tivesse que ensinar-lhes desde o básico, escolheria alunos com as características dos discípulos? Eles tinham sua própria lista de bem-aventuranças, e ela não incluía as bem-aventuranças de Jesus.

O Mestre olhou para as futuras possibilidades de João, Tomé, entre outros, e não para as qualificações presentes daqueles homens simples. Como professor por excelência, Ele podia amar as pessoas não meramente pelo que eram, mas por aquilo que podiam se tornar.

Um professor experiente deu uma tarefa para um grupo de jovens estudantes: sair e encontrar ao lado do caminho, ou de alguma estrada solitária, uma flor desconhecida. Pediu-lhes que a estudassem demoradamente. “Peguem uma lupa e estudem as delicadas veias nas folhas. Observem as tonalidades. Olhem de outro ângulo, observem a simetria. E, lembrem-se, essa flor poderia continuar sem ter sido notada se você não a tivesse encontrado.”

Quando a classe voltou, depois da tarefa, o professor comentou: “As pessoas são assim. Cada uma delas é diferente e tem seu jeito peculiar. Mas você tem que lhes dedicar algum tempo, para que cheguem a saber disso. Muitas pessoas continuam sem ser notadas e apreciadas porque ninguém gasta tempo com elas, nem admira suas particularidades.”

Os pais podem despertar qualidades nos filhos. Os professores podem abrir janelas para os alunos. Um chefe de seção pode descortinar aos empregados um mundo de conquistas. Alunos veteranos podem dar apoio aos calouros para que se ambientem rapidamente.

Tanto na escola como no trabalho, há pessoas que chegam como se fossem botões fechados, com medo de se abri e se expor. O calor humano e a simpatia farão com que se abram e mostrem sua beleza interior.

De Jesus é dito: “Em cada ser humano, Ele divisava infinitas possibilidades. Via os homens como poderiam ser, transfigurado pela Sua graça. [...] Olhando para eles com esperança, inspirava-lhes esperança. Encontrando-os com confiança, inspirava-lhes confiança”


Deus lhe abençoe a cada dia, seja uma benção.

segunda-feira, 21 de março de 2011

A PALAVRA PREFERIDA DE DEUS



O Espírito e a noiva dizem: “Vem!” E todo aquele que ouvir diga: “Vem!” Quem tiver sede venha; e quem quiser, beba de graça da água da vida. Apocalipse 22:17
De acordo com filólogos e gramáticos, a língua portuguesa tem aproximadamente 300 mil verbetes. Como Deus não está limitado a regras de semântica ou gramática, em Seu infinito vocabulário, qual seria a palavra favorita dEle?

Sempre que a pronunciamos, essa palavra demonstra o interesse pelo bem-estar das pessoas, o desejo de ter sua companhia. Nós a dirigimos a quem duvida do nosso amor e acolhimento. É a palavra que Deus usa para aqueles que se recolhem em si mesmos com medo dEle.

Essa palavra se repete três vezes no texto de hoje. Está apropriadamente inserida na conclusão do último livro; no último convite da Bíblia. É a palavra “vem”.

Parece que Deus, no fim de tudo, antes de fechar o último texto e tudo o que os escritores da Bíblia tinham falado, disse a João: “Vamos abrir parênteses. Deixe-Me fazer um novo convite. Vamos dar mais uma chance para que decidam. Ainda há muitos indecisos. Deixe-Me insistir. Por isso, o Espírito e a noiva dizem: ‘Vem!’ E todo aquele que ouve diga: ‘Vem!’ Quem tiver sede, venha.”

Essa era a palavra que estava constantemente nos lábios de Jesus: “Venham a Mim todos os que estão cansados e sobrecarregados” (Mateus 11:28), “Venham, benditos de Meu Pai!” (Mateus 25:34). Mas, apesar dessa insistência, Ele diz: “Quem quiser.” Não “quem entende”, “quem pode” ou “quem é digno”. Simplesmente quem quiser.

No dia do funeral de Janete, Ted Kid, o esposo, contou como haviam se conhecido. Ele tinha terminado antes que ela os estudos na faculdade e trabalhava numa cidade a centenas de quilômetros dali. Pareciam estar sempre em diferentes cidades, mesmo assim, já namoravam havia sete anos. Em cada Dia dos Namorados, Ted propunha o noivado, mas Janete dizia: “Não, ainda não.”

Finalmente, ambos foram morar em Dallas. Ted estava no limite de sua paciência. Comprou um anel de noivado e convidou-a para jantar. Estava preparado para insistir na proposta. Outro “não” significaria que ele teria que decidir viver sem ela. Depois da sobremesa seria a hora. Reuniu toda a sua coragem, mas sabendo que Janete havia levado um presente para ele, decidiu esperar.

O que você trouxe? perguntou ele, Janete colocou nas mãos dele uma pequena caixa do tamanho de um livro. Ele abriu a caixa e desdobrou cuidadosamente o papel de seda. Dentro havia uma peça de bordado que Janete havia feito, com uma simples inscrição: “Sim.”

Essa é a palavra que Deus anseia ouvir de cada um nós.
Seja uma Benção !!

quinta-feira, 17 de março de 2011

O SAMARITANO BOM



Ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: “E quem é o meu próximo? Lucas 10:29
O diálogo, em verdade, começou com outra pergunta: “O que preciso fazer para herdar a vida eterna?” (versículo 25). E, em resposta ao texto de hoje, Jesus relatou a história do bom samaritano.

Aquele pedaço de estrada entre Jericó e Jerusalém podia ser comparado ao trânsito em ruas estreitas de um local perigoso. Um homem é assaltado e quem aparece? Ora, ora... um sacerdote! Era de se esperar que ele ajudasse a vítima ferida. Mas qual foi a reação? Estou atrasado. Logo hoje que vou dirigir o culto... Não vai dar para ajudar.” E na ponta do pé seguiu caminho e passou o mais longe possível.

Apareceu outro. Dessa vez foi um levita, auxiliar do sacerdote. Quando chegou mais perto, percebeu o que tinha acontecido: “Que pena! Ele deve ser socorrido. Mas eu não sou médico e não me sinto muito bem quando vejo sangue. É melhor eu ir embora.

Aparece então um samaritano. Apesar de não encontrarmos na Bíblia as palavras “bom” e “samaritano” juntas, o conceito de bom samaritano é difundido em todos os lugares, quando se fala de ajuda e socorro. Clínicas, hospitais, asilos, corporações de ajuda comunitária e outras instituições usam esse nome.

Jesus pediu ao doutor da lei que avaliasse o que tinha ouvido. “Qual desses foi o próximo?”

Na parábola, Jesus estava dizendo: “Mude seu coração”, “Mostre compaixão”, “Ajude a quem precisa”, “Seja uma extensão do abraço de Deus para os outros.”

Permeando e entremeando todo o relato da parábola do bom samaritano está o conceito de graça, colocado por Stuart Tyner da seguinte maneira: “Graça é o bom samaritano que não conhece limites geográficos nem preconceito cultural, mas que resgata a cura porque nossa necessidade real é urgente. Graça é a bandagem que cobre nossas feridas quando elas não param de sangrar. Graça é o óleo e o vinho que curam a dor quando não podemos atenuá-la. Graça é o burrinho que nos levar para o lugar onde devemos ser curados, onde não podemos ir por nós mesmos. Graça é dinheiro que paga as despesas quando não temos o mínimo em nosso bolso.”

Demonstre o mesmo carinho que Jesus, com Sua graça, demonstrou por você.


Enfim...SEja uma Benção !!!

terça-feira, 15 de março de 2011

O JUGO DO PERFECCIONISMO


Será que vocês são tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, querem agora se aperfeiçoar pelo esforço próprio? Gálatas 3:3


A ocasião era a cerimônia de abertura de um campori de desbravadores no Estado do Paraná. Como em todos os camporis, esse é o momento que se caracteriza pelo seu brilho e pompa. Bandeiras, cores, uniformes impecáveis etc.


Logo depois da abertura, numa rápida caminhada pela área do acampamento, passei por um clube que tinha uma excelente fanfarra. Percebi um clima de frustração; algumas garotas até mesmo choravam. Quis saber o que tinha acontecido e uma delas explicou: “É que a garota que comandava a mudança de toque errou, e todos nós erramos.” Perguntei: “Quem é que sabe que vocês erraram? “Ninguém. Somente o nosso clube.”


Que coisa impressionante! Por que é que julgamos a nós mesmos pelos nossos piores momentos e não pelos melhores? Vemos mais o que erramos do que o que acertamos. Nas avaliações escolares, lamentamos os oito pontos que perdemos em lugar de ficar contentes com os noventa e dois que ganhamos.


Quando igualamos engano a fracasso, como foi o caso do clube mencionado, estamos impondo a nós mesmos um jugo muito severo. Estamos caindo numa das armadilhas do perfeccionismo, que é medir nosso valor em termos de desempenho. Os perfeccionistas nunca estão contentes com seu desempenho porque estabelecem expectativas altas demais. Devo ser o melhor da minha classe. Deve se o melhor jogador do meu time. Não posso desapontar ninguém. Devo me sair bem em qualquer coisa que eu empreender. A ênfase é “eu devo”, “eu preciso”, “eu tenho que”.


Porque não dar uma margem de erro para aquilo que queremos fazer? Porque não estabelecer alvos plausíveis e depois crescer pouco a pouco?


Foi isso que Paulo disse aos Filipenses: “Não pretendo dizer que eu seja perfeito. Até gora ainda não aprendi tudo quanto devia, mas continuo trabalhando para aquele dia, quando finalmente eu serei tudo aquilo para que Cristo me salvou e Ele quer que eu seja. Não, caros irmãos, não sou ainda tudo quanto deveria ser, porém estou concentrando todas as minhas energias para insistir nesta única coisa: esquecendo o passado e aguardando esperançoso aquilo que está à frente, esforço-me para chegar ao fim da corrida e receber o prêmio para o qual Deus está nos chamando ao Céu, em virtude do que Cristo Jesus fez por nós” (Filipenses 3:12-14, A Bíblia Viva).

segunda-feira, 14 de março de 2011

APROVEITE O DIA



Aproveitem ao máximo todas as oportunidades. Colossenses 4:5

“O meu Deus é o Deus do impossível” é um hino cantado por grupos e solistas. E se eu dissesse que Deus é o Deus do incomum e o Deus da oportunidades? Claro que você também concordaria. Devemos discernir as oportunidades e usá-las conforme a indicação de Deus. Podemos dizer também que as oportunidades são muitas vezes respostas de Deus aos nossos desejos.

No filme Sociedade dos Poetas Mortos, Robim Williams, no papel principal, confronta um grupo de alunos difíceis. Alguns eram rudes, preguiçosos; outros foram rejeitados pela família. Porém, como professor, ele não queria desistir dos alunos. Assim, vestia-se de maneira informal, organizava jogos, contava histórias e dramatizava poemas.

Pouco a pouco, os alunos começaram a responder positivamente. Diante da tensão palpável do primeiro dia de aula, em uma escola conservadora e exigente, sussurou-lhes ao ouvido: “Carpe diem”, expressão latina para “aproveite o dia”. Isso deixou os alunos abismados.

Carpe diem – aproveite o dia! Aproveite a oportunidade! Vá em frente! Amplie seus horizontes! Sempre haverá um ponto mais alto. Agarre as oportunidades. Colha delas os melhores frutos. Quem vive o carpe diem jamais dirá: “Chega, não vale a pena tentar. Estou no fundo do poço. Não tenho mais dinheiro. Era minha última oportunidade.”

Teoricamente, não existe risco zero nas oportunidades. Não deixe que se vá a oportunidade de tirar o melhor dela.

Por isso, uma boa frase que podemos usar quando estivermos diante de mudanças difíceis é: “Estou encarando um desafio”, em lugar de: “Estou enfrentando um problema.”

Precisamos centralizar nosso foco nos recursos que temos, não naquilo que não temos. Carpe diem representa um convite para viver a vida na extensão de sua utilidade.

Pergunte às pessoas o que elas querem fazer de sua vida. Todos desejam uma vida cheia de oportunidades. Mesmo assim, com esse desejo sempre diante de nós, às vezes, compromissos, distrações e obstáculos impedem que, no fim do dia, nos sintamos realizados pelo que conseguimos fazer.

Deus quer que aproveitemos as oportunidades que aparecem em nosso caminho. Isso significa que o ontem já foi, e enquanto o amanhã não vem, aproveite o dia. Viva um estilo de vida carpe diem, aproveitando cada oportunidade.
Seja uma Benção !!

sábado, 12 de março de 2011


GRAÇA E CRESCIMENTO CRISTÃO


Assim como vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver nEle. Colossenses 2:6


A graça tem poder justificador quando Deus nos declara justos, e poder santificador quando nos ajuda a nos tornar cada vez mais semelhantes a Jesus. Assim, a graça não apenas nos ajuda a mudar de direção e a renunciar ao mal, mas também a viver vitoriosamente. Não precisamos ter medo da palavra santificação. Simplesmente podemos substituí-la por crescimento em Cristo e estará tudo bem.


Quando nasce uma criança, não recebemos a noticia por meio de um cartãozinho anunciando que o senhor e a senhora Santos comunicam o nascimento de um engenheiro, médico, publicitário etc. O que ele vai ser no futuro dependerá do preparo, da educação e da orientação que vai receber e seguir.


Pedro menciona uma escada de crescimento, virtudes que devemos desenvolver. Tendo em vista a volta de Jesus, mantenha-se crescendo: não pare! “Empenhem-se para acrescentar à sua fé a virtude, à virtude o conhecimento; ao conhecimento o domínio próprio; ao domínio próprio a perseverança; à perseverança a piedade; à piedade a fraternidade; e à fraternidade o amor” (2 Pedro 1: 5-7).


Não é uma questão de ganhar ou comprar o Céu pela santificação. Quando você coloca essa escada como alvo em sua vida, torna-se cada vez mais semelhante a Jesus. Ele também nos mostra como podemos crescer.


Em primeiro lugar, o crescimento cristão está relacionado ao poder de Deus. O próprio apóstolo diz: “Seu divino poder nos deu tudo de que necessitamos” (2 Pedro 1:3). Esse poder é aplicado no dia a dia. “Pois é Deus quem efetua em [nós] tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dEle” (Filipenses 2:13). Deus vai fazer tudo para minha salvação, menos minha parte.


Além do poder divino, existe ainda o empenho humano: “Portanto, irmãos, empenhem-se ainda mais para consolidar o chamado e a eleição de vocês” (2 Pedro 1:10).


Existe o poder divino e existe o empenho humano. Será que isso não é contradição? Deus faz o trigo crescer, mas o fazendeiro tem que plantar.


O poder de Deus e o empenho humano não são incompatíveis.


Isso não significa que a salvação seja um esforço conjunto. A salvação é um ato cem por cento de Deus. Digo “Agora, Senhor, que fui salvo como posso demonstrar meu agradecimento?” Vá a Deus e pergunte: “Senhor, o que deve fazer? Mostra-me Tua vontade. Dá-me a idéia do que devo ou não fazer para crescer na graça.”


Os cristãos fazem coisas que os não cristãos não fazem porque Deus opera na vida deles. Paulo dizia: “Tudo posso nAquele que me fortalece” (Flipenses 4:13).
Seja uma Benção

domingo, 6 de março de 2011

SERMÃO DA MONTANHA


Como houvesse uma multidão que o queria ouvir, Jesus subiu a uma colina nas cercanias de Cafarnaum e pôs-se a ensinar aqueles que o seguiam, dizendo:
Bem aventurados os humildes e despojados, porque deles é a riqueza de Deus.
Bem aventurados os que recusam a violência, porque eles herdarão o mundo.
Bem aventurados os que não desesperam na aflição, porque eles serão consolados.
Bem aventurados os que lutam pela justiça como se luta pela comida e pela água, porque sua fome e sede serão saciadas..
Bem aventurados os que se esforçam para perdoar sempre, porque nenhuma culpa lhes ficará sobre os ombros.
Bem aventurados os que não corrompem seu coração, porque verão a pureza de Deus.
Bem aventurados os que buscam e promovem a paz, porque serão como filhos de Deus.
Bem aventurados os que são perseguidos por fazer o bem, porque serão glorificados diante de Deus.
Bem aventurados sede quando sofrerdes injúrias, mentiras, difamações e ataques por praticardes o que vos ensinei.
Alegrai-vos, não desanimeis, porque sereis reconhecidos na eternidade. Da mesma forma os profetas que viveram antes de vós, foram desacreditados e perseguidos.
Vós sois o sal da terra. Mas se o sal perder seu próprio sabor e se tornar insosso que se fará com ele?
Para nada servirá e as pessoas o atirarão fora, por inútil.
Vós sois a luz que clareia o mundo. Não se pode ocultar uma cidade iluminada no alto da montanha. Também não se acende uma lâmpada para escondê-la debaixo da mesa ou dentro do armário.
Ao contrário, nós a colocamos em lugar onde possa oferecer luz a todos na casa. Assim, portanto, que vossas obras sejam como lâmpadas que a todos iluminem. E, ao ver tais obras, as pessoas sejam levadas a reconhecer a presença de Deus.
Não vim mudar os mandamentos nem anular o que disseram os profetas. Não vim revogar, mas viver a lei de Deus. Nenhum ponto e nenhuma vírgula dos mandamentos serão omitidos até que minha missão se cumpra. Digo que aquele que desprezar mesmo o menor desses mandamentos e instigar os outros fazê-lo será pequeno diante de Deus. Aquele que praticar e ensinar esses mandamentos será grande diante de Deus. Eu asseguro que se a vossa justiça limitar-se apenas a cumprir a legislação e as normas, os artigos e parágrafos e a salvar as aparências, Deus não vos será revelado.
Ouvistes sempre dizer: Não matarás; quem matar deverá responder por seus crimes nos tribunais. Todavia, eu digo que também o ódio e o desprezo -ainda que manifestados em palavras- serão julgados. Portanto, antes de cumprir promessas, fazer devoções, acender velas ou ter um gesto de filantropia, pergunta-te se teu próximo não foi prejudicado por ti. Antes de entregar tua oferta, vai pedir-lhe desculpas. Depois oferece tua dádiva e tua piedade.
Reconcilia-te com teu desafeto enquanto estás junto dele e ele perto de ti, para não acontecer que a reparação que lhe deves tu a tenhas de dar no julgamento, quando então ficarás livre somente depois de pagar toda a tua culpa.
Ouvistes o que foi ensinado : Não praticarás adultério. Digo, porém: quem olha para uma mulher com o propósito de trair já cometeu adultério em seu coração. Portanto, se teu olho direito te escandaliza, poupa teu olhar. Pois é melhor renunciar à vista do que entregar o corpo inteiro às trevas. E se tua mão direita te escandaliza, não a utilizes, pois é preferível privar-te da mão do que entregar o corpo inteiro à escravidão. Foi dito: aquele que rejeitar sua mulher, dê-lhe documento de divórcio. Eu, porém , vos digo : todo aquele que abandona sua mulher, a não ser por motivo de prostituição, a expõe ao adultério; e aquele que se une à mulher adúltera também é adúltero.
Ouvistes o que foi dito aos antigos : Não jurarás falso, cumprirás teus juramentos para com o Senhor. Eu, porém, digo: não jureis nunca sem motivo justo, nem pelos céus em nome de Deus, nem pela terra em nome dos homens, nem por nada de sagrado. Nem mesmo jureis por vossa cabeça, pois não tendes sequer o poder de controlar os fios brancos ou pretos de vossos cabelos. Se é sim dizei sim. Se for não, dizei não.
Ouvistes o que foi dito: Olho por olho e dente por dente. Eu, porém, vos digo: não revideis ao mal com a maldade. Se vos agridem e humilham. Não guardeis no rosto a marca da ofensa. Àquele que disputar convosco o pouco que tendes, mostrai-vos desprendidos e acima de mesquinharias. Se alguém vos obriga a um sacrifício, sede generosos e pacientes. Se alguém vos pede, oferecei o que tendes; e se estiver em vosso alcance, não volteis às costas a quem necessita pedir-vos emprestado.
Ouvistes o que foi dito: Amarás teu próximo e odiarás teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai vossos inimigos. Lembrai-vos de pedir a Deus o bem também aos que vos perseguem; porque é assim que vos tornais filhos de Deus, que é Pai, e que faz nascer o sol igualmente sobre bons e maus e cair a chuva sobre justos e injustos. Se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? Os interesseiros e oportunistas também fazem isso. Se quereis bem e desejais a felicidade apenas a vossos amigos fraternos, não há nisso nenhum mérito. Não é isso que se faz no relacionamento social comum ? Entretanto, deveis buscar o aperfeiçoamento constante como vosso Pai é perfeito.
Tome cuidado para que as boas obras e a justiça que praticais não sejam apenas pretexto para aparecer perante os olhos das pessoas. Se isso acontecer, não haverá nelas nenhum mérito perante os olhos de Deus. Por isso, quando derdes ajuda ou auxílio a alguém, não espalheis o fato, nem conteis vantagens, nem façais propaganda de vosso gesto, como agem aqueles que buscam elogios e criam uma boa imagem em torno de si. Na verdade, os que querem apenas distinguir-se já estão pagos e recompensados com a fama que conquistaram. Vós, porém, quando socorrerdes uma pessoa, fazei-o sem alarde, com discrição e desinteresse, de sorte que vossa mão esquerda não saiba o que faz vossa mão direita. O Pai, que vê o que está oculto no coração vos dará o valor devido.
Ao orar, não queirais parecer devotos, nem façais exibição de piedade, para que as pessoas que vos vejam digam que sois gente boa e de bem. Em verdade, digo que quem age assim já é recompensado por sua vaidade e vanglória. Mas tu, quando orares, recolhe-te dentro de ti mesmo, como se estivesses num quarto fechado, e pede que apenas o Pai te veja, pois Ele enxerga o fundo do coração e te atenderá.
Em vossas preces não repitais as palavras maquinalmente, sem senti-las, como fazem aqueles que imaginam ser tanto mais ouvidos quanto mais longo for o palavreado. Não sejais como eles, porque vosso Pai sabe do que tendes necessidade antes mesmo de pedirdes as coisas.
Orai desta maneira:
Pai nosso, que estais no céu,
Santificado seja o Vosso nome,
Venha a nós o Vosso reino,
Seja feita a Vossa vontade
Assim na terra como no céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje.
Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem
Nos tenha ofendido.
E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

Se perdoardes às pessoas as falhas que elas têm, vosso Pai também vos perdoará; mas se não oferecerdes vosso perdão, não estareis em condição de receber o perdão de Deus.

No jejuar, não assumais um ar de sacrifício, como fazem os hipócritas que desfiguram o rosto para que seu jejum seja notado pelas pessoas. Eu vos digo que eles recebem sua recompensa ao serem observados. Tu, porém, quando jejuares, penteia os cabelos e lava o rosto, para que as pessoas não saibam que fazes jejum, mas apenas o teu Pai , que está presente em segredo. E o Pai que vê o que está oculto, te retribuirá.
Não façais de vossa vida um acúmulo de riqueza e bem-estar, que são passageiros e podem ser dilapidados e destruídos. Acumulai tesouros de boas obras, que nem a traça e a ferrugem corroem, nem os assaltantes carregam. Onde colocardes o valor de vosso tesouro, aí estará vosso amor.
A luz do corpo é o olho. Se teu olho não tiver malícia, todo teu corpo refletirá pureza, mas se teu olhar se corromper, todo teu corpo se obscurecerá. Pois se a luz que há em ti são trevas, quão grandes não serão as próprias trevas.
Ninguém pode ter como patrão o bem e o mal e servi-los igualmente ao mesmo tempo. Ou estima um e desserve o outro, ou se apega ao primeiro e desatende ao segundo. Não podeis servir a Deus e ao egoísmo do dinheiro.
Por isso vos digo: não vos inquieteis com a vossa vida, com o que haveis de comer, com o vosso corpo, com o que tereis para vestir. Não é a vida mais importante que o alimento; e o corpo, mais que a roupa? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, não guardam em celeiros. No entanto, vosso Pai as alimenta. Não valeis mais que os pardais e bem-te-vis? Quem dentre vós, por mais que se preocupe e aflija, pode prolongar por pouco que seja o tempo de sua vida? E por que preocupar-vos com as roupas que tereis para vestir? Aprendei com os lírios do campo. Vede como crescem; e, no entanto não trabalham nem tecem. Todavia, nem Salomão, em todo o seu esplendor vestiu-se como um deles. Ora se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã será cortada e queimada, não fará ele muito mais por vós, homens fracos na fé?
Portanto, não vivais preocupados dizendo: que iremos comer? Ou, que iremos beber? Ou, que iremos vestir? Quem não crê é que vive preocupado excessivamente com isso.
Deus, que é Pai, sabe de vossas necessidades. Buscai, em primeiro lugar, praticar no mundo os mandamentos do Pai e sua justiça. E tudo o mais vos será dado. Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã. O amanhã terá outras preocupações. Bastam para cada dia as dificuldades desse dia.
Não julgueis para não serdes julgados. Os juízos que aplicardes aos outros serão aplicados a vós. Com as medidas com que medis, sereis medidos. Por que reparas no cisco no olho de teu irmão e não percebes a farpa que está encravada no teu? Como poderás dizer a teu irmão: - Deixa-me tirar esse cisco do teu olho- quando mal podes enxergar com a farpa na tua vista Falso, limpa primeiro teus olhos para que possas enxergar bem e tirar o cisco do olho do teu irmão.
Assim como as carnes que eram consagradas no templo não deviam ser atiradas aos cães; assim como não se oferecem pérolas aos porcos no chiqueiro, para que não sejam confundidas com lavagem; o que envolve a fé deve ser tratado com respeito. Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei à porta e vos será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, acha; e o que bate à porta, entrará.
Se vosso filho vos pedir uma fatia de pão, quem de vós lhe dará uma pedra? Se o filho pedir um pedaço de peixe, qual o pai que lhe dará uma serpente venenosa? Ora, se vós, que sois imperfeitos, atendeis aos pedidos de vossos filhos, muito mais lho fará vosso Pai que sabe do que necessitais.
Tudo o que quereis que as pessoas vos façam, fazei-o vós a elas. Essa é a Lei e o ensinamento dos profetas.
Há dois caminhos. Um é amplo e fácil, sua porta é larga e conduz às trevas e à escravidão. Muitos são os que caminham por ele. Outro é apertado e dificultoso, sua porta é estreita, e conduz à Vida. São poucos os que o encontram. Preferi a porta estreita. Tomai cuidado com os falso profetas, que iludem pela aparência. Vós os conhecereis por suas obras. Não se colhem uvas dos espinheiros, nem os cardos dão figos.
A árvore boa dá frutos bons. A árvore má dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, da mesma forma que a árvore má não pode dar bons frutos. Se uma árvore frutífera não dá bons frutos, ela é inútil. Assim, é pela qualidade de seus frutos que conhecereis os profetas verdadeiros.
Nem todo aquele que vive invocando o nome de Deus verá sua face, e sim aquele que realiza a vontade do Pai que está no céu. muitos me dirão no dia final : Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos, discursamos, expulsamos demônios e fizemos coisas miraculosas? Então eu lhes direi : nunca vos conheci. Afastai-vos de mim, vós que praticastes a injustiça.
Quando Jesus acabou de falar estas coisas, a multidão estava extasiada, porque Jesus ensinava com a autoridade de que vivia o que pregava..Ao descer da montanha, muitas pessoas o seguiram.
texto do livro "O Sermão da Montanha", recontado por Lourenço Diaféria, brinde do Círculo do Livro SA, edição de 1983.
Postado por Sandro Jose Calhiari

sábado, 5 de março de 2011

JESUS FALA A SÓS COM NICODEMOS



Ninguém pode ver o reino de Deus, se não nascer de novo. João 3:3(João 3:3) - Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. 
Nicodemos era influente, rico, educado e membro da corte suprema. Como bom fariseu, era também de moral elevada e estava afeito às proibições rabínicas. Cumpria todas as normas e regulamentos sabáticos inventados pelos homens, inclusive o de que ele só poderia comer um ovo posto no sábado, se a galinha fosse morta depois (por ter transgredido o sábado!) – mas não sabia como chegar ao Céu.
 
Com a reputação teológica que tinha, decidiu conversar com Jesus à noite, para evitar ser visto. A final poderiam pensar: “Como é que ele, com tantos títulos, doutorados e pós-graduações iria conversar com alguém que não tinha nem graduação?” O outro motivo para o encontro noturno é que o assunto seria demorado e, durante o dia, cercado de pessoas, Jesus não lhe daria o tempo que precisava para dialogar.
 
O livro
O Desejado de Todas as Nações (p. 168) menciona que Nicodemos foi testemunha ocular da expulsão dos vendedores e compradores no templo. Tinha observado como Jesus recebia os pobres e curava os enfermos, e não pôde duvidar de que Jesus de Nazaré era o Enviado de Deus.
 
Com tudo o que tinha à sua disposição, sendo líder devoto, diligente mestre da Lei, ainda assim sentia um vazio dentro de si.
 
Ao se encontrar com Jesus, não fez pergunta nenhuma, apenas elogiou. Mas o Mestre sabia o que tinha levado Nicodemos até ali. Ele percebeu o vazio dentro do coração de Nicodemos. Mesmo sem que o judeu Lhe fizesse pergunta, Jesus foi direto: “Ninguém pode ver o reino de Deus, se não nascer de novo.”
 
Assim, o assunto em questão com Nicodemos não era o conhecimento de uma vida correta. Ele tinha todas essas coisas, mas
lhe faltava nascer de novo.
 
Como é que aquelas palavras ditas em uma noite a dois mil anos podem nos afetar hoje?
 
Mesmo que você tenha nascido em um lar cristão e sido educado na melhor das culturas, isso não será suficiente para torná-lo uma nova pessoa. Essas coisas podem ajudá-lo a ser uma pessoa de bem, mas
somente Jesus vai fazer você nascer de novo. Não procure entender como, apenas aceite o fato de Ele poder realizar esse milagre em você.
 
“A
vida cristã não é uma modificação ou melhoramento da antiga, mas uma transformação da natureza.
(II Corintios 5:17) - Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. Ocorre a morte do eu e do pecado, e uma vida toda nova tem início. Essa mudança só se pode efetuar mediante a eficaz operação do Espírito Santo”.
Ore ao Senhor, agradeça por tudo o que Ele é e por tudo o que podes fazer em sua vida, peça esta nova vida a Jesus, creio que Ele em sua infinita sabedoria e misericórdia lhe ajudará nisso, convide Jesus para entrar em sua vida, fazer morada em seu coração, grandes coisas estão por vir em sua vida, tudo novo se fará.

UM MODELO DE ORAÇÃO

Querido Senhor Jesus, Eu sou grato por teres morrido na cruz para pagar por meus pecados. Reconheço que sou pecador e peço perdão por meus erros. Agora eu te recebo em meu coração como meu Salvador e Senhor. Confio em tua promessa de fazeres de mim um filho de Deus. Creio que tu me darás forças, diariamente, para viver conforme a tua vontade. Em teu nome eu faço esta oração, Amém.

Seja uma benção!!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Acampamento de Carnaval da Igreja Ágape

Ah! O acampa…

Por Michele Bacelar

Faltam poucos dias para o acampamento. E para quem já foi em tantos outros sabe muito bem das coisas maravilhosas que acontecem lá. Quem nunca foi vai voltar das próximas vezes e quem está em dúvida, comece a arrumar as malas e decida-se, pois não sabe o que estará perdendo!

Bom este ano não estarei com vocês no acampamento, mas também estarei na presença de Deus em outro lugar. Participei de apenas três acampamentos da Ágape, já cheguei machucada e fui restaurada, já pedi respostas de Deus e recebi uma linda profecia… Enfim, senti vontade de contar só um pouquinho do que aconteceu no último acampa. Quem foi vai voltar no tempo e relembrar, quem não foi deve ter ouvido falar.
Novembro de 2010. Feriado prolongado: Acampamento da Ágape. A comida excepcionalmente excelente, as ministrações nem se fala e depois de três dias, tínhamos que ir embora, claro. Mas na noite de despedida, antes de começar o louvor de encerramento começou a chover. Era hora do jantar, comida na mesa e, lá fora aquele temporal. Um grupo de mais ou menos cinco pessoas começaram a orar perto do palco, onde os músicos guardavam os instrumentos que a chuva insistia em molhar por cada fresta que encontrava. Estavam ali (o grupo que orava), quase não eram notados pelas pessoas, mas a oração deles chegaram a Deus. Passou um tempo, também  entrei na rodinha, mas quando abri os olhos, todos estavam envolvidos. Jovens, adolescentes e adultos estavam intercedendo pedindo intervenção divina. As cadeiras foram logo tiradas de campo, para dar espaço aos que iam se ajuntado. A luz acabou e a chuva ficava cada vez mais forte.  E claro que muitos estavam com medo, pensando no que poderia acontecer porque o mundo literalmente estava caindo em águas. Avisaram que não haveria mais louvor porque precisaram guardar os equipamentos. A galera estava lá orando de olhos fechados, alguns caíram na unção do riso e não paravam mais, o Espírito Santo estava se movendo. Aos poucos a chuva foi acalmando, derepente começamos a ouvir um som leve e manso e logo foi ficando mais alto e estridente.  E, o barulho da chuva perdeu lugar para as notas da guitarra. A galera pulava e louvava e dançamos e cantamos para Jesus e encerramos mais um acampamento de uma maneira sensacional: em Unidade. Aquele dia poderia ter terminado de uma maneira tranqüila, todo mundo se reunindo e cantando. Mas acredito que Deus proporcionou um momento impar de Unidade, onde fomos envolvidos pela oração.  Onde a vontade de interceder foi contagiante. Todos de mãos dadas, em uma imensa roda. E acredito que Deus queria dizer “Ei é isso ai, vocês são o corpo de Cristo, é isso que precisam fazer é essa Unidade que vocês precisam viver”. 
Para quem acha que todo acampamento é igual. Ou para quem acha que acampamento é só para adolescente, porque tem que dormir em barraca e tomar banho comunitário. Sai dessa! Jesus passou por coisas piores para que pudéssemos desfrutar desses momentos. Serão apenas quatro ou cinco noites dormindo em barracas. Ainda sobram 360 dias para dormir no aconchego do lar. Se Deus proporcionou um momento tão bom nos 45 do último tempo, imagina o que não vai fazer com tanto tempo separado para Ele? Eim?! Vai lá! Por você, Jesus deu a vida! Acredite será uma benção

quarta-feira, 2 de março de 2011

O Que Levou a Pedro Negar JESUS !!


Texto base: João 18:12-27
(João 18:12) - Então a coorte, e o tribuno, e os servos dos judeus prenderam a Jesus e o maniataram.
(João 18:13) - E conduziram-no primeiramente a Anás, por ser sogro de Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano.
(João 18:14) - Ora, Caifás era quem tinha aconselhado aos judeus que convinha que um homem morresse pelo povo.
(João 18:15) - E Simão Pedro e outro discípulo seguiam a Jesus. E este discípulo era conhecido do sumo sacerdote, e entrou com Jesus na sala do sumo sacerdote.
(João 18:16) - E Pedro estava da parte de fora, à porta. Saiu então o outro discípulo que era conhecido do sumo sacerdote, e falou à porteira, levando Pedro para dentro.
(João 18:17) - Então a porteira disse a Pedro: Não és tu também dos discípulos deste homem? Disse ele: Não sou.
(João 18:18) - Ora, estavam ali os servos e os servidores, que tinham feito brasas, e se aquentavam, porque fazia frio; e com eles estava Pedro, aquentando-se também.
(João 18:19) - E o sumo sacerdote interrogou Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina.
(João 18:20) - Jesus lhe respondeu: Eu falei abertamente ao mundo; eu sempre ensinei na sinagoga e no templo, onde os judeus sempre se ajuntam, e nada disse em oculto.
(João 18:21) - Para que me perguntas a mim? Pergunta aos que ouviram o que é que lhes ensinei; eis que eles sabem o que eu lhes tenho dito.
(João 18:22) - E, tendo dito isto, um dos servidores que ali estavam, deu uma bofetada em Jesus, dizendo: Assim respondes ao sumo sacerdote?
(João 18:23) - Respondeu-lhe Jesus: Se falei mal, dá testemunho do mal; e, se bem, por que me feres?
(João 18:24) - E Anás mandou-o, maniatado, ao sumo sacerdote Caifás.
(João 18:25) - E Simão Pedro estava ali, e aquentava-se. Disseram-lhe, pois: Não és também tu um dos seus discípulos? Ele negou, e disse: Não sou.
(João 18:26) - E um dos servos do sumo sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha, disse: Não te vi eu no horto com ele?
(João 18:27) - E Pedro negou outra vez, e logo o galo cantou.

·        Objetivo do estudo:
            Identificar o caminho que levou Pedro a negar a Jesus afim de que esta história não se repita em nossas vidas.

·        Introdução:
           
            O texto retrata o episódio em que Pedro nega ser discípulo de Jesus, conforme Jesus havia dito em Mc 14:30

(Marcos 14:30) - E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás




            - Por que Pedro negou a Jesus?
            - O que levaria alguém que, embora conhecesse o amor de Jesus, o Seu poder (...), viesse a negá-lo; a dizer que não O conhecia?

            Veremos a seguir o caminho que levou à negação de Pedro.
            É importante que analisemos nossas vidas diante de cada tópico a seguir para que o mesmo não venha a acontecer conosco.

1.     Excesso de confiança (Marcos 14:26-31)

(Marcos 14:26) - E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras.
(Marcos 14:27) - E disse-lhes Jesus: Todos vós esta noite vos escandalizareis em mim; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas se dispersarão.
(Marcos 14:28) - Mas, depois que eu houver ressuscitado, irei adiante de vós para a Galiléia.
(Marcos 14:29) - E disse-lhe Pedro: Ainda que todos se escandalizem, nunca, porém, eu.
(Marcos 14:30) - E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás.
(Marcos 14:31) - Mas ele disse com mais veemência: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de modo nenhum te negarei. E da mesma maneira diziam todos também.

            Pedro reage diante do que Jesus diz sobre o que aconteceria com seus discípulos quando Ele fosse ferido (v.27).
            “vos escandalizareis” à seriam levados a tropeçar
            “ovelhas dispersas” à como se estivessem desprotegidas
            Pedro diz: “jamais me escandalizarei”, ele tinha convicção, embora não fosse verdadeira, que tal coisa jamais atingiria a sua vida; e insiste nesta idéia até o fim.
            Temos que ficar atentos na caminhada, a nossa fé deve estar enraizada em Cristo, para que nenhuma adversidade venha a nos “escandalizar”, ou seja, nos faça tropeçar.

2.     Falta de oração (Marcos 14:32-34; 37-41)

(Marcos 14:32) - E foram a um lugar chamado Getsêmani, e disse aos seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto eu oro.
(Marcos 14:33) - E tomou consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, e começou a ter pavor, e a angustiar-se.
(Marcos 14:34) - E disse-lhes: A minha alma está profundamente triste até a morte; ficai aqui, e vigiai.

(Marcos 14:37) - E, chegando, achou-os dormindo; e disse a Pedro: Simão, dormes? não podes vigiar uma hora?
(Marcos 14:38) - Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.
(Marcos 14:39) - E foi outra vez e orou, dizendo as mesmas palavras.
(Marcos 14:40) - E, voltando, achou-os outra vez dormindo, porque os seus olhos estavam pesados, e não sabiam o que responder-lhe.
(Marcos 14:41) - E voltou terceira vez, e disse-lhes: Dormi agora, e descansai. Basta; é chegada a hora. Eis que o Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores.

            Enquanto era tempo de vigiar e orar, Pedro dormia!
            Ele cedeu à sua necessidade física e particular ao invés de obedecer a orientação de Jesus.
            Cuidado! Muitas vezes deixamos de obedecer às orientações de Jesus cedemos às nossas próprias vontades. Isso é um perigo!

3.     Não atentou para o que Cristo havia dito (Joao 18:7-11)

(João 18:7) - Tornou-lhes, pois, a perguntar: A quem buscais? E eles disseram: A Jesus Nazareno.
(João 18:8) - Jesus respondeu: Já vos disse que sou eu; se, pois, me buscais a mim, deixai ir estes;
(João 18:9) - Para que se cumprisse a palavra que tinha dito: Dos que me deste nenhum deles perdi.
(João 18:10) - Então Simão Pedro, que tinha espada, desembainhou-a, e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. E o nome do servo era Malco.
(João 18:11) - Mas Jesus disse a Pedro: Põe a tua espada na bainha; não beberei eu o cálice que o Pai me deu?

4.     Associou-se às pessoas erradas (Marcos 14:54)
(Marcos 14:54) - E Pedro o seguiu de longe até dentro do pátio do sumo sacerdote, e estava assentado com os servidores, aquentando-se ao lume.
Estava junto com os servos dos sumos sacerdotes.

5.     Voltou aos velhos hábitos (Marcos 14:71)
(Marcos 14:71) - E ele começou a praguejar, e a jurar: Não conheço esse homem de quem falais.
            Praguejava contra aqueles que diziam ser ele discípulo de Jesus e jurava falsamente.

6.     Negou abertamente (Marcos 14:72)
(Marcos 14:72) - E o galo cantou segunda vez. E Pedro lembrou-se da palavra que Jesus lhe tinha dito: Antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás. E, retirando-se dali, chorou.

·        Conclusão:
            - Pedro preocupava-se somente consigo e com o que as pessoas iriam pensar dele;
            - Pedro deixou-se distanciar de Jesus, ele permitiu que a barreira física (Jesus preso) ultrapassasse a espiritual e ao negar a Jesus era como se tivesse negado todos os seus ensinamentos sobre o medo, sobre o poder e a proteção de Deus...
            - Temos que nos atentar à nossa caminhada para que em momento nenhum venhamos a nos distanciar de Jesus, pois se estivermos nele e Ele em nós, jamais tropeçaremos nem o negaremos.


Seja uma benção!